A entrevista foi realizada por meio do aplicativo WhatsApp, no dia dezenove de outubro de dois mil e vinte. O relato foi feito com interferências externas (sons do aparelho de televisão, vibração do aparelho celular, músicas, sons de automóveis e latidos de cachorro). Em alguns momentos da entrevista há uma intensidade sonora na fala, pois os áudios foram enviados em diversos horários do dia (de acordo com a disponibilidade da entrevistada).

 

Covid19, Gravidez não planejada; Desemprego

Me chamo Maria Eliane, tenho 32 anos, solteira. Nasci em Tarauacá, mas resido em Rio Branco há onze anos, moro no bairro Cidade Nova. Tenho quatro filhos, um de dezesseis, um de quatorze, um de onze e a mais nova de quatro anos. Atualmente moro somente com minha filha menor, os outros moram com o pai. No momento estou desempregada, fico só em casa mesmo cuidando da neném. Nos dias que correm, me sinto triste, isolada sem poder visitar os parentes e nem os amigos. 

Antes da pandemia minha rotina era normal, saia para trabalhar, passeava com as crianças e elas iam para a escola. Com a pandemia tudo mudou, as coisas ficaram difíceis. As crianças ficam em casa sem nada para fazer e não consigo trabalho, e isso dificulta a situação. Antes eu trabalhava em lanchonete, mas devido à pandemia perdi meu emprego e estou sustentando a casa por meio de diárias em restaurantes e com ajuda do Bolsa Família. Também recebi duas vezes cestas básicas da escola em que minha filha estuda. 

Em relação à maternidade, minhas gestações não foram planejadas, mas foram as melhores coisas que aconteceram na minha vida e não as trocaria por nada. Após me tornar mãe, minha vida mudou, mas mudou para melhor, me tornei uma pessoa mais tranquila e mais humilde. Meus filhos são a razão da minha vida. 

Quando me tornei mãe, não contei com uma rede de apoio para me auxiliar nos cuidados dos meus filhos. À vista disso, tive que desistir dos meus estudos por não ter com quem deixá-los. Mas, ser mãe foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida, é uma dádiva, então para mim está sendo uma benção. A relação com os meus filhos é ótima, eles me contam tudo, sempre me ligam para saber como estou, me sinto realizada com a maternidade. 

Quando entramos em quarentena me senti muito triste, pois iria mudar toda a minha rotina, consequentemente afetaria o trabalho que eu tinha naquele tempo e também a escola, pois eu e minha filha estávamos estudando. Hoje em dia eu e minha filha estamos estudando de forma remota, através dos dados móveis no celular. Com a escola fechada tenho brincado mais com a minha filha, levo ela na pracinha, na sorveteria, claro que tomando todos os cuidados necessários. Também vou na lan house imprimir desenhos para ela pintar e, para passar o tempo, ela assiste vídeos no Youtube. 

Tenho um sobrinho que nasceu prematuro, ele tem epilepsia e precisa tomar medicação, então a família tem um cuidado especial com ele. Na minha residência, não contraímos a Covid-19, mas na minha família sim, duas pessoas. Eles moram em casas distintas e os dois contraíram o coronavírus, ficaram entubados. Foi uma experiência bem ruim, a família chegou a pensar que não iriam resistir, mas graças a Deus, eles se recuperaram e voltaram para suas casas. 

Em minha residência não houve alteração na rotina de limpeza, pois eu já limpava tudo com sabão em pó, água sanitária e desinfetante, sempre tive essa mania de limpeza. Houve mudança na forma de fazer as compras para casa, pois agora eu lavo tudo ou passo álcool em gel antes de guardar. Em relação aos cuidados da imunidade, eu e minha filha tomamos vitamina C, ingerimos muitas frutas, água e suco, também tomamos a vacina da gripe. 

Durante esse período de pandemia aprendi a dar mais valor à vida, às pessoas que estão ao meu redor, à família e aos amigos, pois o meu maior medo é ficar longe deles. Suponho que pós-pandemia as pessoas vão estar mais humanizadas. O ponto positivo desse isolamento social é que eu posso passar mais tempo com os meus filhos, e após a pandemia a primeira coisa que eu vou fazer é levar a minha filha para o parquinho, para ela brincar a noite inteira, pois ela gosta.

Ser mãe requer muita dedicação e tempo, mas tenho conseguido arrumar um tempo para cuidar de mim, vou ao médico, saio para passear e tiro um tempo para descansar a mente. E, quando tiro esse tempinho deixo minha filha com uma moça, eu pago e ela cuida, a minha filha gosta, pois lá há outras crianças. 

Meus planos inicialmente para este ano eram viajar e também concluir meus estudos, mas devido à pandemia foi adiado (mas vou concluir através das aulas remotas). Agora, os meus planos para o futuro é terminar o ensino médio, fazer uma faculdade e proporcionar uma vida melhor para mim e para os meus filhos. 

Se eu pudesse mandar uma mensagem para todas as mães que estão enfrentando esse isolamento social, eu diria para elas amarem e cuidarem muito dos seus filhos, que elas deem o seu melhor, que valorizem suas famílias e amigos, pois não sabemos o dia de amanhã, o futuro só a Deus pertence. E, eu sempre agradeço a Deus, por me livrar de todo mal e me guardar sempre.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *